Guia prático para todos os Carnavais: folia e respeito devem andar unidos!

Carnaval é época de folia, de se permitir, de se fantasiar, de se jogar nos blocos ou nas ladeiras. Mas não, não pode tudo! Não pode faltar com respeito, nem muito menos confundir paquera com assédio


Em meio ao empurra-empurra nos quatro cantos, nas fantasias empoderadas no Aterro do Flamengo, ou no tradicional Desfile das Kengas na Praia de Pirangi, alguns seres (não) humanos passam do limite do aceitável e esquecem qualquer tipo de noção com o pretexto de “Carnaval pode tudo” ou “O que acontece no Carnaval fica no Carnaval”. Os momentos, que deveriam ser de lazer, viram vivências com os mais diversos abusos, encobertos pelo patriarcado do permissivo carnavalesco. 

Luiza Medeiros por Pedro Fonseca para Cartola #7 - Carnaval
É aquele apalpada no corredor, o beijo forçado, o aproveitar da pessoa bêbada, e até casos de estupro, que transformam a festa em um verdadeiro pesadelo traumático. Pensando nisso, segue abaixo umas dicas práticas para exercitar o respeito neste carnaval e não cair no erro de ser um babaca:

Começando com: respeito é bom e todos gostam!
Respeito é a palavra-chave! Vamos respeitar as minas, as monas e os manos! Simplesmente ter empatia com a situação do outro, não tirar onda com aquelas piadinhas bem preconceituosas no meio da folia.

Puxar assunto pode, invadir o espaço pessoal NÃO!
Você se interessou por alguém e agora é hora de tomar uma atitude, conversar, puxar assunto e até soltar alguma brincadeira (respeitosa, por favor). Mas vamos lembrar de resguardar o espaço pessoal de todos, nada de puxar pelo braço ou pelo cabelo.

NÃO É NÃO: simples assim!
Você se aproximou da paquera, conversou, tentou, e ela disse verbalmente que não queria! Vamos partir para outra, afinal, ela já expressou a vontade dela e não adianta insistir e tornar-se uma figura agressiva e abusiva!

Beijar a força não é pegada, é assédio!
Juro que nunca entendi o que leva alguém a tascar um beijo a força! Olha, isso parece meio óbvio, mas beijo roubado NÃO é “um charme”. A coisa é simples: quando dois não querem, não beijam!

Denuncie!
Se infelizmente você for vítima de alguma situação abusiva ou presenciar tal ato asqueroso, lembre-se que o carnaval só vai ser um evento de alegria plena quando as mulheres (e as minorias, em geral) estiverem totalmente livres de violência para exercer seu direito de se divertir, de usar a fantasia que quiserem e dançar até o chão.

Então, não silencie, denuncie! Ligue 180, que funciona em todo o Brasil e auxilia mulheres em situação de violência 24 horas por dia, sete dias por semana.
Tecnologia do Blogger.

@cartolamag